Raiz Cultura blog!

Raiz Cultura blog! ajuda a resgatar a cultura de raiz e a ancestralidade do nosso povo!

Iamuricumã

Foto India Yanomani.

Certa vez o sertanista Orlando Villas Boas foi aprisionado pelos índios Kayapó.

Era a época dos primeiros contatos entre estes índios e os civilizados. Os Kayapó eram considerados guerreiros ferozes e temidos por toda a extensão do rio Xingu. Orlando Villas Boas estava em uma aldeia deles, cercado por dezenas de homens pintados para a guerra, ansiosos por derramar sangue e que já haviam decidido matar aquele estranho homem branco.

Orlando Villas Boas viu uma velha Kayapó e gritou por socorro. A mulher se aproximou do grupo de guerreiros e todos silenciaram. Ela mandou que os homens soltassem o homem branco e, junto com outras mulheres, escoltou Orlando até o barco para que ele pudesse ir embora sem ser molestado.

É difícil para a sociedade dos civilizados, entender que uma guarnição militar inteira possa reverter uma decisão por causa das palavras de uma mulher. Seria considerado um fato raro. Esta história serve para ilustrar a complexidade do papel que as mulheres indígenas exercem em suas comunidades.

Sobre a festa das Mulheres :

Os índios Kamayurá, do Parque do Xingu, contam que antigamente havia a aldeia das Iamuricumá. Um dia os homens desta aldeia saíram para pescar e demoraram muito para voltar.

Passou uma lua até que um jovem foi ver o que tinha acontecido. Ele descobriu que os homens estavam se transformando em bichos. Alguns viraram porcos e outros bichos do mato.

O jovem voltou à sua aldeia e contou o caso para sua mãe. Ela reuniu todas as mulheres e decidiram deixar aquele local, antes que seus maridos retornassem. As mulheres vestiram os enfeites que só os homens podiam usar e pintaram-se como eles. Algumas mulheres começaram a cantar e foram subindo, subindo até alcançarem o teto de suas casas. Lá ficaram cantando e dançando por dois dias.

As mulheres passaram um veneno no corpo e se transformaram em espíritos. Por isso é que até hoje, no local onde vivem as Iamuricumá, não se pode tirar raiz, planta ou caçar; ou o índio enlouquece e desaparece para sempre.

As mulheres agarraram um velho, colocaram duas pás de fazer beiju no lugar das mãos dele e o transformaram em tatu. O velho disse: “Agora não sou mais gente. Sou tatu“, e começou a cavar um túnel. As mulheres o seguiram.

As mulheres das outras aldeias em que as Iamuricumá passavam, resoviam se juntar ao grupo e continuavam viajando, viajando sempre. Até hoje elas caminham, sempre enfeitadas e cantando.

Nas aldeias do Alto Xingu, as mulheres fazem festa para as Iamuricumá até os dias atuais. Nos dias da festa os homens têm que obedecer a todas as vontades das mulheres.

Este video é um projeto de apresentação de Marlui Miranda, trazendo o ritual “Iamuricumã“, praticado pelo grupo indígena Wauja do Alto Xingu, como parte do projeto “Donzela GuerreiraAs faces do Feminino Na Música“. acontecendo no CCBB (RIo).

No comments yet»

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: